[FECHAR]

22/05/2012

# Essência # Georgina Kincaid

Richelle Mead – A Canção do Súcubo – Essência


Leituras de Carol nº 641
Título original: Succubus blues

Súcubo (s.m) – Fascinante criatura do mal, do sexo feminino. Capas de mudar de forma; seduz e dá prazer a homens mortais.
Patética (adj. f.)- Um súcubo com sapatos fantásticos e sem nenhuma vida social. Ver: Georgina Kincaid

Eu sempre digo por aqui, os livros com temática Young Adult até que são legais, mas nada como ler histórias onde adultos são os protagonistas.
Essa série da Georgina Kincaid foi indicação da Natália, inclusive os livros que estou lendo são dela, mas quando aparecer uma boa promoção deles comprá-los-ei (risos).
Georgina Kincaid é sua identidade atual, mas ela nasceu há milênios atrás e se chamava Letha. Mas ao trair o marido e se arrepender da forma como o deixou, Letha faz um pacto diabólico, sua alma em troca do marido, família e amigos esquecerem da existência dela.
Os séculos se passam e hoje ela está na Seattle (aquela mesma cidade famosa pelo movimento musical denominado Grunge / Onde também se passa o seriado Greys Anatomy) e tenta “viver uma tranquila vida” de súcubo, mas com uma regra, só “sugar” a vida daqueles que merecem morrer, nada de se meter com caras bonzinhos.
Mas quem disse que tudo seria fácil? Georgina tem que lidar com a atração pelo seu escrito favorito Seth Mortensen (que vai parar na livraria onde ela trabalha), os mau humores do “chefe” o arquidemônio Jeremy, além de ter que lidar com algo que quando não está matando conhecidos seus, espanca seus amigos. 
A dedicatória já dá o tom do que você deve esperar;
“Para meus maravilhosos pais. Richar e Brenda,. Depois de rechear minha infância com livros de mitologia e romances, vocês deviam ter imaginado que isto ia acontecer”.
Richelle Mead cria um mundo que mistura súcubos, vampiros, anjos, demônios. No início pensei que tudo ia ficar muito confuso, mas ela conduz a história com graça. Cada um dos personagens nos deixa muito à vontade, as tiradas sarcásticas e irônicas me divertiram muito.  
Ri demais com Jerome (que para o mundo humano resolveu se parecer com John Cusack), com os amigos da livraria onde Georgina trabalha. Me surpreendi Carter, o anjo que se veste como cantor de rock grunge.
E claro, como toda romântica que se preze caí de amores pelo Seth e suas camisas que hora fazem alusão a filmes ou a bandas de rock. Um fofo tímido, super inteligente e escritor de sucesso. E como todo bom romance adulto as cenas quentes não deixam a desejar. 


Recomendo!

Georgina Kincaid
A canção do Súcubo
O Poder do Súcubo
O Sonho do Súcubo
O Calor do Súcubo
A Sombra do Súcubo
Succubus Revealed

3 comentários:

  1. A série da Georgina Kincaid COM CERTEZA é uma das minhas favoritas!
    Você já leu O Poder do Súcubo? Esse foi o que mais ri! E vou usar a expressão 'chorar de rir' porque realmente foi o que aconteceu.
    Eu adoro o Peter e o Cody também!

    E quase morro no Calor do Súcubo quando ela cita uma música que o Placebo fez versão que eu ABSOLUTAMENTE adoro!

    recomeno essa série pra todo mundo!

    ResponderExcluir
  2. Massa!



    Selene Blanchard
    Blanc – ModaeEu.blogspot.com – TEM PROMOÇÃO COM BlackBerry,e outras duas especiais.
    Espero sua visita!

    ResponderExcluir

POR ONDE AS ROMÂNTICAS PASSARAM