Sarah Mayberry - Casual - Flor da Pele 17


Leituras de Flavinha nº 561

Milhões de mulheres babam pelo astro das telinhas Mac Harrison. E a roteirista Grace Wellington não é diferente. O delicioso ator tem papel principal em suas mais loucas fantasias. Mas na vida real ela não tem espaço para um homem tão egocêntrico. Quando Grace e Mac são obrigados a trabalhar juntos em um projeto, seus desejos mais secretos e eróticos são satisfeitos. Um caso digno de nota. E nada mais. Pena que Mac não concorda. Ele quer evoluir de sexo casual para um relacionamento sério. E sabe exatamente como ser persuasivo…

Mais uma vez a autora recorre a síndrome do patinho feio! Grace, tem três irmãs lindas e acha que não tem atrativos para conquistar um homem como o delicioso Mac Harrison. Cheia de estilo, usa roupas de brechó e parece uma Pin Up dos anos 50.

Sozinha, depois de pegar o namorado transando com outra (cenas fortes e chocantes meninas) ela está há mais de 04 anos sem sexo com um homem. Ela encontra prazer fantasiando com o galã da novela de maior audiência e que ela trabalha na produção.

As coisas começam a ficar quentes quando Mac vai trabalhar juntinho dela e a química entre os dois se torna fogo puro! Cenas HOT deliciosas, nessa história que eu adorei! Agora quero saber da história da Cláudia!
Recomendo!

Secret Lives of Daytime Divas 
1. Take on Me - Revanche (Flor da Pele 13)
2. All Over You - Casual (Flor da Pele 17)
3. Hot for Him  

0 comentários

12.10.2014

Lançamento: Paixão ao Entardecer - Lisa Kleypas - Arqueiro



Ai ai ai... o que é bom sempre acaba...

Dia 16 de janeiro, a Arqueiro lança o último livro da série Os Hathaways... vamos finalmente saber qual será o final feliz de Beatrix.

Mesmo sendo uma família nada tradicional, quase todos os irmãos Hathaways se casaram, até mesmo Leo, que era o mais avesso a essa ideia. Mas para a caçula Beatrix, parece não haver mais esperança. 

Dona de um espírito livre, apaixonada por animais e pela natureza, Beatrix se sente muito mais à vontade ao ar livre do que em salões de baile. E, embora já tenha frequentado as temporadas londrinas e até feito algum sucesso entre os rapazes, nunca foi seriamente cortejada, tampouco se encantou por nenhum deles. 

Mas tudo isso pode mudar quando ela se oferece para ajudar uma amiga. 
A superficial Prudence recebe uma carta de seu pretendente, o capitão Christopher Phelan, que está na frente de batalha. Mas parece que a guerra teve um forte efeito sobre ele, e seu espírito, antes muito vivaz, se tornou bastante denso e sombrio. 

Prudence não tem a menor intenção de responder, mas Beatrix acha que ele merece uma palavra de apoio – mesmo depois de tê-la chamado de estranha e dito que a jovem é mais adequada aos estábulos do que aos salões. Então começa a escrever para ele e assina com o nome da amiga. Beatrix só não imaginava o poder que as palavras trocadas teriam sobre eles. 

De volta como um aclamado herói de guerra, Phelan está determinado a se casar com a mulher que ama. Mas antes disso vai ter que descobrir quem ela é. 


Leia um trechinho do livro



Pena que acabou, mas a Arqueiro já anunciou que vai lançar outra série dessa fabulosa autora: As Quatro Estações do Amor (conhecida lá fora como Wallflowers)

0.5 - Again the Magic (a editora não vai publicar esse)
1 - Secrets of a Summer Night
2 - It Happened One Autumn
3 - Devil in Winter
4 - Scandal in Spring
5 - A Wallflower Christmas

Read More

12.09.2014

Resultado Sorteio Natal Nacional



Olá pessoal!
Desculpem a demora em postar o sorteio!

Mas postamos!
E vamos as vencedoras





Vitória ganhou o  Talvez um Dia - Elisete Duarte
Vanilda vai receber em casa o Claro que te amo! - Tammy Luciano
Gizeli leva o Até eu te Encontrar - Graciela Mayrink
Luciana Cobbos ganhou A Agenda - João Varella 


Obrigada pela participação de todos e todas.

Parabéns as vencedoras!

Vocês têm até a próxima sexta-feira (12/12) para enviar seu endereço para nosso email mulheresromanticas@gmail.com No assunto coloque "Ganhei no Sorteio Natal Nacional".

Como está explicado em nossas regras gerais de sorteio, o brinde será enviado em até 60 dias.

Read More

Sarah Mayberry - Revanche - Flor da Pele 13

 
Leituras de Flavinha nº 560

Sadie demorou um tempo para superar uma paixonite adolescente por Dylan, mas depois de crescida, seguiu em frente com a vida. Até reencontrá-lo trabalhando na mesma empresa que ela! De repente, era como se o tempo houvesse encurtado, e Sadie não tivesse passado nem um minuto longe do homem que era seu pior trauma na escola, e também sua maior paixão. Apesar de decidida a não deixar suas fantasias sexuais atrapalharem, uma forte carga elétrica é liberada todas as vezes em que estão juntos. A cama se torna um lugar inevitável… Agora, Sadie sabe que Dylan é muito melhor em ação do que na imaginação! Estrategicamente, ela promete a si mesma que o deixará sedento por mais prazer… Mas será que é esse o verdadeiro desejo dela?

Adorei essa história! Sadie era o patinho feio na adolescência, por outro lado era super inteligente! Dylan por sua vez era o garoto gato e rebelde da sala, mas, que não se dava muito bem em literatura. Na tentativa de ajudar, Sadie acaba constrangendo Dylan diante de toda turma. Para se vingar, Dylan a constrange diante de toda a escola. E passam a odiar um ao outro.

Anos se passam e eles não conseguem esquecer o quanto se odeiam. Agora, trabalhando juntos eles tem que lidar com os sentimentos do passado e com a atração sexual que pega fogo entre eles! Fogo mesmo! É bem HOT esse livro, do jeito que a gente gosta! 

A autora soube arrumar a história de jeito que os sentimentos dos dois fossem mudando... E ainda nos apresentou as duas melhores amigas que Sadie podia ter: Cláudia e Grace, protagonistas das próximas histórias dessa trilogia deliciosa!

Recomendo!

Secret Lives of Daytime Divas 
1. Take on Me - Revanche (Flor da Pele 13)
2. All Over You - Casual (Flor da Pele 17)
3. Hot for Him  

Read More

12.08.2014

Trecho de Ripped quinto livro da série Real - Katy Evans (em inglês)

Mais um vez em parceria com a TRSOR Promotions hoje tem mais um trechinho de Ripped, quinto livro da série Real, que será lançado lá nos Estados Unidos amanhã.






The big dose of reality hits me when I wake up and he is sprawled, in all his muscular glory, across my hotel bed. It takes a second for me to remember that I, uh . . . I let Mackenna stay over?
I groan and slap my palm against my forehead. Fuck. Why why why does he weaken my willpower? The mattress squeaks as he shifts in bed, one arm reaching out as he groans in his sleep and seems to search for me. I roll away quickly and watch his hand settle on a pillow.
“Mackenna,” I say, toeing his side with my foot. “Mackenna!” I hiss.
He rolls around and sits up, and thank god the covers are halfway around his waist, because if I see one more inch of bare flesh I might explode from the heat spreading through me. I feel myself blush even deeper when his muscles bulge as he pushes himself up with his arms. His eyes adorably heavy, he blinks to adjust to the light, his mouth as perfect and generous as it was yesterday. And then he looks at me. That gaze is softer silver in the morning, not as sharp or as intimidating, almost . . . intimate when he sees me. Glimmering playfully.
And too late, I realize why he’s fucking grinning. My T-shirt got caught on the waistband of my panties. And he’s taking me in, in one quick sweep. “Well, fuck, someone woke hungry this morning,” he says, his voice bedroom sleepy as he looks at me, and I grab the pillow to cover myself.
“I’m not hungry,” I say.
“I was talking about me. Come over here.”
“No, Mackenna! Come on. Get out of my room already. I told you to leave!”
He grins and gets up, and I toss the pillow and flush as I pull down my T-shirt while he heads to the bathroom. It only takes him a minute to come out. Not enough to comb all my fingers through the tangles in my hair. If I were into that and cared what the asshole thought. Which I don’t.
His eyes run up the length of my legs, continue from the hem of my T-shirt to my neck, then land on my head. “Leave your hair, it looks all right,” he says huskily, stopping to loom before me.
Heat flows through my body as he looks down at me with blatant need. What is wrong with him? With us?
“Nothing’s wrong,” he murmurs.
“I said that out loud?” I groan.
“You’ve been . . . vocal, all night. I like it.”
God. I dreamed. I dreamed . . . I’m not even sure what. I dreamed about the closet again. I dreamed we were in bed. I dreamed he tried to kiss me, and when I turned away, he set a thousand shivery kisses up and down my neck.
The memory makes me flush cherry red. Did that happen during the night? By the intimate way he looks at me, I think he wanted inside me real bad. I didn’t let him, thank god. He fingers the collar of my tee, then watches me as he slowly drags his finger up my neck, his thumb caressing my bottom and top lip. Even though his hold is loose and he’s not physically holding me down, I feel trapped. His gaze alone holds me motionless.
He used to look at me with this same proprietary gleam when he was my boyfriend. My secret boyfriend, who nobody knew about . . . except me. I guess, in the end, my mom knew.
But while the secret lasted, we hid in the janitor’s closet in school and made out until I could hardly walk, my legs unsteady as I headed for class with his taste in my mouth, the scent of his soap clinging to my clothes.
I’m fighting the urge to smell his neck now. It’s a war to just stand here motionless, tracing every inch of his masculine face with my eyes when I want my fingers to do the same. The years become nothing.
The hum between us is just like in the old days, when I was the center of his galaxy. When the girls in school would stare longingly at him when he walked past my locker, having eyes only for me. Sometimes, when the halls were vacant enough, he quickly leaned over me and kissed the back of my ear and every part of my body, from my toes up to the back of my ear. I’d grow hot, and the place between my legs would start pulsing.
Too easily I remember coming home and squealing.
Me—squealing.
I would play love songs, only to replay the words he said to me and the ways he touched me. I would shower, eat, and sleep Mackenna Jones. . . .
But deep down, my mother’s bitterness and my father’s infidelity poisoned me. I kept all these feelings to myself—kept them from my mother so she wouldn’t take Mackenna from me. But because I didn’t want to lose him, because I feared it wasn’t real, I also kept my feelings from him, and now I’m used to saying nothing. Keeping it bottled up.
Why do I feel like I’m about to burst now?
“Don’t, Kenna,” I say when he uses his thumb to open my lips. He stands dangerously close—his height, his breadth, his size, his do-me-now-woman sex appeal intimidating the hell out of me.
He grins wickedly and strokes a hand over my hip.
“Why not?”
“Because it’s not going to happen,” I say breathlessly.
“Yeah, it will.” His smirk says, It definitely will.
He pats my butt slowly, and the familiar way he brushes his lips over mine brings my temper to a boil. Who does he think he is? Does he think because we made out by mistake he gets to play my boyfriend? When I growl and slap his hand away, he chuckles and heads back to the bathroom.
Soon I hear the shower, the sound of the water slapping his delicious man-flesh. Then I hear him hum a tune, a tune I’ve never heard before. My chest moves when I remember he used to do that when we were teens. God, no, stop thinking of those moments. It hurts. Truly it does. Think of the bad ones. When he left. When he left me on my own after making me need him and believe I couldn’t live without him.
Refusing to get all sappy with memories, I grab my phone and think of Melanie.
She’s probably at the office, missing the delightfully bitter morning company that is me.
I quickly text, I kissed him
Every second I wait for her answer, I feel worse and worse, not only about the closet incident but also about falling asleep with him around. When I woke up, the bastard was almost spooning me.
Melanie: What?
Me: I kissed the bastard! He spent the night. Oh god!!!!! This is suicide!
Melanie: Why? Was he into it? You know what they say about where there was once fire . . .
Me: He was into the kissing, into using me for his selfish reasons and I was selfish too.
Melanie: So what’s the problem?
Me: The problem is he’s going to think he WON!

And he will. He really, really will, because he’s so full of himself I’m surprised he fits inside this building.




Toda mulher me quer – exceto a única para a qual eu canto. Seattle se abala com antecipação: eles o chamam de O concerto do ano. Eles dizem que as garotas estão ficando grávidas só de pensar em Crack Bikini estando na cidade. Mas quando você ama uma garota, você não deixa-a com nada além de um anel e uma promessa. Qualquer homem com metade de um cérebro deveria saber. Então, o que eu espero que a minha garota faça quando ela me vê de novo? Bem, para começar, ela detesta nossa música. Particularmente, a música que eu escrevi sobre ela. Quando eu a canto, o estádio fica em alvoroço. Milhares de fãs gritam o meu nome como se eu fosse um deus – mas, sim, não ela. Claro como cristal: a garota não está feliz em me ver. Cabelo preto, botas pretas, uma atitude ruim, é ela – Pandora Stone é uma maldita comedora de homens e ela está atrás do meu sangue. Isso é certo. Deixe-a vir para mim. Porque eu estou atrás do seu coração e, desta vez, não há nenhuma maneira que ela possa me parar.
Sinopse em português extraída do blog Everything But The Books


No Brasil a série é publicada pela Novo Século e estamos no terceiro livro



Confira os primeiros capítulos (e onde comprar os livros) do bipolar mais delicioso dos últimos tempos


 








Read More

Rachel Gibson - Maluca por Você - Jardim dos Livros


Leituras de Carol nº 821
Título original: Crazy on You

Lovett, Texas 2/4


Um charmoso policial acaba de chegar à cidadezinha de Lovett, no Texas. Seu nome é Tucker Matthews. Tudo o que ele quer é um pouco de sossego e um lar pra chamar de seu. Seu e de Pinky, sua gatinha de estimação, deixada com ele por uma ex-namorada louca. 

Mas parece que Tucker tem sorte (ou azar) para mulheres doidas. Sua nova vizinha é ninguém menos que Lily Brooks, ou, a Maluca Lily Darlington, famosa na cidade pelos excessos do passado, como quando entrou com o carro dentro do escritório do ex-marido cretino. 

Fofocas à parte, Tucker não imaginou que no lugar da suposta barraqueira fosse conhecer uma baita mulher em seus trinta e oito anos, linda, inteligente, sexy e engraçada, que irá virar sua cabeça do avesso. Maluca por você é um romance apimentando e divertidíssimo! Você não vai conseguir parar de ler!

O único senão desse livro é o número de páginas. Muito curto! Eu li em "uma sentada", mas como a sinopse já adianta é bem divertido mesmo.

Tucker passou grande parte da sua vida nas forças armadas, mas uma experiência de quase morte faz com que ele reveja seus conceitos. Ao deixar a carreira militar, ele se candidata (e consegue) uma vaga na polícia de Lovett, no Texas. Uma casa, uma rotina, nada de muito emocionante. O que para alguns seria um tédio, para Tucker é a realização de um sonho. 

Lily desde sempre morou em Lovett e como quem está na mesma cidade há muito tempo tem uma história, a de Lily é ser conhecida como "maluca Darlington", além dos excessos cometidos quando adolescente, ela em um acesso de raiva jogou o carro na sala do ex-marido (por um bom motivo, diga-se de passagem). Agora Lily quer que Lovett a veja somente como uma empresária responsável e mãe dedicada de Pippen. Mas pelo visto o vizinho gostosão vai tirá-la do sério.

Como o livro é curto, tudo se desenvolve muito rápido (porquê Rachel você fez isso? Podia ter alongado um pouco mais da história, desenvolvido mais o passado de ambos). Lily, continua ressabiada, ao que ela sente por Tucker é muito intenso (e ela está bem ressabiada com a intensidade das coisas na vida dela), mas Tucker não se dá por vencido e joga pesado para convencer Lily de que eles são muito bons juntos (tanto na cama, quanto fora dela).

Recomendo a leitura!

Lovett, Texas

Crazy On You 
Rescue Me
Run To You


Read More

12.06.2014

Top 10 Romances de Banca - Harlequin Brasil 2014

Então, fazendo uma retrospectiva dos livrinhos de banca deste, chegamos ao TOP 10 melhores livros Harlequin de 2014. Deu trabalho fazer a lista, viu? Afinal foram muitos romances deliciosos! Se liga nos nossos escolhidos e dê a sua opinião!

Nº 10 - Cinderela por uma Noite - Susan Mallery
 


Nº 09 - Ardente - Brenda Jackson

 Livro quentíssimo dessa autora que tem personagens negros #Tudodebomgostosoeveryhot!
 Confira as resenhas da Carol e da Flavinha.

Nº 08 - Volta da Esperança - Susan Meier

Livro fofo, capa fofa, história fofa! Confira a resenha da Flavinha! http://www.mulheresromanticas.com.br/2014/04/susan-meier-volta-da-esperanca.html

Nº 07- Susan Mallery - The Million Dollar Catch


Essa trilogia acabou conquistando a Flavinha, que amou as capas e as histórias! Confira AQUI.

Nº 06 - Lori Foster - Quando Ousa
 
Livro delicioso da Lori (veja a resenha AQUI) que faz parte de uma série maravilhosa que a Harlequin não terminou de publicar! Precisamos ter os outros livros dessa série! Publica Harlequin!

Nº 05 - Amar outra Vez - Carol Marinelli

História linda, em e-book que conquistou a Stella! Leiam a resenha AQUI.




Nº 04 - Os O'Hurley - Nora Roberts


A Harlequin relançou e a Carol não resistiu a essa maravilhosa família! Confira AQUI as Resenhas dessa série da Nora Roberts!

Nº 03 - Trilogia Anetakis Tycoons - Maya Banks
Uma maravilhosa surpresa ter a diva dos romances eróticos numa série maravilhosa nos livrinhos de banca! Lemos e amamos! Confiram as resenhas AQUI.

Nº 02 - Segredos da Quinta Avenida - Várias Autoras


Série badaladíssima, cujas capas lindas já estiveram na "Pesquisa Hot TDB" e que foi promessa na Bienal de São Paulo, saiu completinha, as capas como as originais (atendendo a pedidos), histórias deliciosas e já tem resenha do primeiro livro! Adoramos e precisamos de mais séries nesse formato, viu Harlequin?

01 - Série Noturna - Nora Roberts


Série maravilhosa da Diva Nora Roberts, completa e sem cortes como prometido na Bienal! As capas novas estão de arrasar! O último livro chegou as bancas esse mês e já garanti o meu! Obrigada Harlequin!

Esse é o nosso Top 10 Romances de Banca Harlequin!
Qual o seu?

Read More

12.05.2014

Lançamentos Novo Conceito - Dezembro 2014




O Grande Ivan – Katherine Applegate
Meu nome é Ivan. Eu sou um gorila. Não é tão fácil quanto parece… Ivan mora dentro de um shopping e nunca tinha pensado em voltar para a natureza até o dia em que a pequena Ruby, um filhote de elefante, foi comprada pelo dono do circo. Baseado em fatos reais, O GRANDE IVAN é uma história deliciosa, cheia de humor, ao mesmo tempo doce e inteligente, sobre os direitos dos animais e sobre a força da amizade. Não importa quantos anos você tem… Você deveria ler este livro hoje, agora mesmo. Aliás, o que você está esperando para começar?

Minta Que Me Ama – Maria Duffy
O inverno é a estação mais aconchegante do ano, mas Jenny Breslin não se sente nada confortável. Tudo na sua vida a total ausência de romance, o emprego chatíssimo no banco foi tocado pela mágica das festas de fim de ano. A simples ideia de passar por mais um Natal com a sua mãe extravagante e Harry, o novo namorado dela, a enche de pavor. Mas isso é na vida real… No Twitter, as coisas não poderiam estar mais interessantes. Nele, Jenny tem uma carreira em ascensão, uma vida amorosa sensacional e uma agenda superconcorrida. Então, em uma noite de bebedeira, Jenny está tuitando com suas amigas Zahra, Fiona e Kerry. E de repente ela as convida para passar alguns dias em sua casa em Dublin. À medida que a sua vida virtual entra em rota de colisão com a sua verdadeira rotina, Jenny não sabe para onde correr. Tudo parece contribuir para mostrar que a existência das suas companheiras de Twitter é um milhão de vezes mais interessante do que a sua. O fim de semana chega, e segredos são compartilhados. Jenny começa a perceber que, enquanto ela sonhava, as coisas acontecem bem depressa. Será que é muito tarde para que ela volte a assumir o controle da sua própria e verdadeira vida?

Uma Chance Para Recomeçar – Lisa Kleypas
Victoria morreu em um trágico acidente, deixando sua filha Holly sob a responsabilidade do seu irmão, o solteiro convicto Mark. O tio Mark não se sentia muito preparado para cuidar da menina, mas assumiu o compromisso de devolver o sorriso aos seus lábios. No entanto, ele descon fia de que não esteja fazendo um bom trabalho, uma vez que Holly nunca mais falou desde que ficou órfã. Uma cartinha para o Papai Noel revela um desejo que pode ser a chave da felicidade de Holly: ela só quer ter uma mãe. Maggie perdeu o marido em uma batalha contra o câncer e não quer jamais – passar por tudo isso de novo. Por isso, ela fechou seu coração e prometeu a si mesma dedicar-se somente a sua nova loja de brinquedos em Friday Harbor, que permite às crianças viajar um pouco nas asas da imaginação. A amizade entre Maggie e Holly (que até passou a acreditar em fadas!) ao mesmo tempo comove e preocupa o tio Mark. Ele tem certeza de que a nova amiga fará bem a sua sobrinha, mas precisa decidir se a deixará entrar em sua própria vida… Nós também torcemos, do fundo do coração, para que Holly tenha uma linda noite de Natal.

Read More

Primeiro capítulo de Ripped - Katy Evans (em inglês)

A gente já sabe como é a capa (deliciosa por sinal) do mais novo livro da série Real. O lançamento (lá fora) é na próxima terça, dia 09.

A história é sobre Pandora, amiga da Brooke, e seu ex-namorado roqueiro, sobre o qual ela jurou que nunca colocaria seus olhos novamente.

Como a autora é boazinha (ou mazinha... depende da perspectiva, risos), dois trechos do livro (através da TRSOR Promotions) estão sendo liberados. Dia 08, você poderá conhecer mais um pouquinho. E nós estamos compartilhando com vocês. A má notícia (para várias de nós)... o capítulo está em inglês.



Toda mulher me quer – exceto a única para a qual eu canto.
Seattle se abala com antecipação: eles o chamam de O concerto do ano. Eles dizem que as garotas estão ficando grávidas só de pensar em Crack Bikini estando na cidade.
Mas quando você ama uma garota, você não deixa-a com nada além de um anel e uma promessa. Qualquer homem com metade de um cérebro deveria saber.
Então, o que eu espero que a minha garota faça quando ela me vê de novo?
Bem, para começar, ela detesta nossa música. Particularmente, a música que eu escrevi sobre ela.
Quando eu a canto, o estádio fica em alvoroço. Milhares de fãs gritam o meu nome como se eu fosse um deus – mas, sim, não ela. Claro como cristal: a garota não está feliz em me ver.
Cabelo preto, botas pretas, uma atitude ruim, é ela – Pandora Stone é uma maldita comedora de homens e ela está atrás do meu sangue.

Isso é certo.
Deixe-a vir para mim. Porque eu estou atrás do seu coração e, desta vez, não há nenhuma maneira que ela possa me parar.
Sinopse em português extraída do blog Everything But The Books

Sneak Peek Excerpt (Post on December 5th)
Rage bubbles up inside me full force.
“Now?” Melanie keeps asking me.
I. Loathe. Him.
“Now?” she asks again.
I loathe him. He’s the only boy I’ve ever kissed. He took kisses that meant everything to me and turned them into a joke of a fucking song. A song that turns me into some sort of Eve, torturing and teasing him to sin. He is the sin. He is the penitence, the hell, and the devil, all in one.
I reach into my bag, nicely tucked under my poncho, and grab the first thing I find.
“Now,” I whisper.
Before Mackenna knows what hit him, Melanie and I have sent three tomatoes and a couple of eggs flying through the air.
The orchestra music isn’t enough to drown out his muttered “fuck,” audible through the microphone.
His jaw clamps and he yanks the mic down over his chin as he jerks his eyes around to find the source of the attack. I feel delirious when I see the genuine anger on his face. I squeal, “The rest!” and grab the remaining things we brought and just keep throwing. Not only at him, but at anyone who tries to get in the way—like the stupid dancers who rush to protect him. One of them makes a whimpering noise as an egg hits her face, and Mackenna jerks her back by the arm so he can take the hits himself, his furious eyes trying to find us in the crowd.
Then I hear Melanie shout, “Hey! LET GO, asshole!”
My arms are yanked behind me, and I’m suddenly shoved and pulled out of my place and down the aisle.
“Let go of us!” Melanie cries, struggling as two burly guards drag us away. “If you don’t let go of me right now, my boyfriend’s going to find your home and kill you in your sleep!”
The guard yanks me back harder, and I catch my breath as pain rushes up my arm.
“Asshole,” I hiss, but I don’t even bother to struggle. Melanie’s getting nowhere and I know it.
“She knows them! She knows the band! Who do you think he was singing about just now, asshole?” Melanie kicks into the air. “She’s Pandora! Let us fucking go.”
“You know Mr. Jones?” one guard asks me.
“Mr. Jones!” I scoff. “Seriously! If Mackenna’s a mister, I’m a unicorn!”
They seem to chuckle among themselves as they lead us past more security, around the stage, and to a small room in the back. One guy starts speaking into a radio as he unlocks the door.
Melanie struggles and tries to kick out, but the enormity of what could happen starts settling on me, and I grow quiet.
Holy. Shit. What have I done?
“You don’t have to look so happy, dickface. My boyfriend will find your home too and kill you next!” she tells the other guard.
They yank a door open and shove us inside. I stumble as I take a step, fighting for some dignity as I wiggle free of his grip. “Let go,” I grit, and he finally releases me.
The radio transmitter on his hip emits a sound. A voice says something I can’t make out, but it sounds a lot like cursing.
“Remove these,” one of the guards commands, pointing at our ponchos.
I pry the plastic off my body and Melanie does the same, then we watch helplessly as they strip us of the bags we’d hidden underneath the ponchos.
Melanie groans when they set our things on a table to the side. Cell phones. Two more tomatoes. Car keys.
“Wow. You guys can’t take a little joke now, can you?” Melanie asks them with a haughty little scowl.
I close my eyes and try to quell the panic rising in me.
Fuuuuck. What was I thinking?
I haven’t done anything this reckless in years.
And it felt good.
Also wrong. Very, very wrong.
But good. Great, in fact.
Hell, I can still picture the pissed, disbelieving look on Mackenna’s face. It gave me intense pleasure. Orgasmic pleasure. But now the intense feeling I’m experiencing is more along the lines of paralyzing fear.
What if the guards call him into the room to ask if he does, indeed, know me?
What if I have to stand here in this small stuffy room and look at him from thisclose!
I feel sick to my stomach. Later, Melanie’s going to want explanations. Big-time explanations; more than what I’ve told her so far. She’s going to have to tell Greyson what happened, and he’s going to want to know everything, because these stupid security guards messed with his girl. I don’t even know if I can explain to her the kind of past Mackenna and I share. January 22: the day I unfailingly get drunk and don’t bother to even see the light of day—I’d sworn to myself I’d never discuss that day. But Melanie and Greyson? They will want me to open my box of secrets. Of me and Mackenna Jones.
Hot, wet mouths melding . . .
Him, pushing into me, stretching me, taking me, loving me . . .
Promises.
Lies.
Loss.
Hatred.
The kind of hatred that’s only born of an intense, out-of-this-world love that went woefully wrong.
What am I going to say to him if I see him?
What am I going to do?
Please god, don’t punish me by making me look at him thisclose.
I pace and pray, pace and pray while Melanie studies her nails, the wall, and me, sighing with the bored confidence of someone who knows she’s getting out of here intact. If I see Mackenna, I really doubt it'll be so easy. My stomach’s already in knots, and I’m having the most awful urge to vomit right now.
The concert seems to last forever. One of the guards comes and goes while the other opts to stand a few feet behind Melanie, standing all military-like, as if waiting for something.
Oh god, please let that something not be Mackenna.
I’m wearing off a layer of my boots’ soles when, a century later, the door swings open and a chubby man in a suit and tie steps in. My blood pools in my feet from my nervousness. Lionel Palmer, the band manager, also known as “Leo.” I saw his face and interview in this morning’s paper, but I have to say he looked much happier in that picture.
He glares at us—Melanie glaring back, me standing motionless—and his hands make meaty fists at his sides.
“Have you any idea what you just did?” he grits out, chubby cheeks blazing red. “How long we could keep you two cozy in a fucking lady prison? What kind of fucking fans are you?”
“We’re not fans,” Melanie says.
The door swings open and the twins, in all their male glory, join the melee. They look intimidating all the time, but now—with their blond hair, odd-color eyes, and perfectly pissed-off scowls—they’re a force to be reckoned with.
I can’t breathe.
“Who the fuck are these bitches?” the one with the snake tattoo demands.
“I’m getting to that, Jax,” Lionel says.
So the other one must be Lexington. He charges forward and looks at me, eyebrow piercing and all, then he looks at Melanie. He points his index finger, swinging it from her to me. “I hope you two have a lot of money, because one of our dancers is injured. If she’s screwed up for Madison Square Garden—”
“Don’t worry, Pandora, Greyson will take care of this,” Melanie says easily.
“Pandora,” Lionel repeats suddenly. He grows still, his eyes sliding back to me. “Your friend called you Pandora. Why?”
“Because it’s my name? Duh.”
I’m in the middle of rolling my eyes when the door swings open and a figure fills the space. I don’t think my heart is beating anymore. I feel like someone is strangling me and punching me on the inside.
Mackenna.
A few feet away.
In the same room as me.
Bigger and manlier than ever.
He kicks the door shut behind him. He’s wearing aviators, so I can’t see his eyes, and ohmigod, I hate him with a passion. I came here to hurt him, but I’m so overcome by my anger, I can’t seem to do anything but stand here with my breath getting trapped in my lungs, my heart squeezing in my chest, my body trembling as all my suppressed anger bubbles up inside me.
He is tall and dark, and the remains of a red gooey liquid trickle down his chest.
But what a perfect chest, with its thin trail of hair that leads the way from his navel to his dick. Tight leather pants mold to his bulging thighs. A bulging cock too. I swear girls might think he sticks a loaf of bread down his pants, but I can assure you that fucker is real. As huge as his fucking ego, and I remember it used to get as hard as his fucking head.
Not everyone can pull off a buzz cut, or a diamond stud earring, but he has a perfectly shaped head that makes you want to curl your hands around it and trace the curves with your lips. The diamond glints almost menacingly in his right ear, and when he takes off the sunglasses with an angry jerk, I see his brilliant, furious silver eyes, and I swear that it feels like coming home.
To a home that was wrecked, and burned, and there’s nothing left, but it’s still your home.
How fucked up is that?
God, please let him not be real. Let this be a nightmare. Let him be on the other corner of the world while I hate him safely from my corner in Seattle.
“She’s fucking Pandora?” Lionel asks Mackenna.
When Mackenna’s hard jaw only tightens, Lionel turns slowly around to study me. My brain is a tangle of confusion because Mackenna is staring straight at me like he can’t believe I’m standing here.
I can barely take his steely gaze. I thought this night would give me closure. That I could make him feel in front of his fans like I felt when he left: humiliated. Instead he stands there, every inch the rock god, even with tomato puree on his chest. He owns the room, carrying that unnamable X factor that nobody can pinpoint but that he has in spades, that tells you he owns this room and everyone in it.
And that fact only serves to piss me off further.
“Lionel,” he says in a low, warning tone.
Just one word makes Lionel ease back. Now nothing stops Mackenna from staring straight at me.
My face burns as I remember how I loved him. Deep, hard, completely.
Don’t think about that. You hate him now!
“Nice hair.” He shoves his glasses into the belt loops of his pants.
His voice, oh god.
His eyes run down the length of my hair, and Melanie offers, “I suggested she add a little spirit to her hair, so at least she looks happy.”
He doesn’t even look at Melanie. He looks at me in the most intense way, specifically the pink strand in my hair, waiting for me to answer. I loathe that pink strand, but not as much as I loathe him.
“Nice tights,” I return, and gesture to his leather pants. “How’d you get into them? From the top of a building and with a pound of butter?”
I refuse to let his chuckle move me, but I feel it run down my legs as he starts approaching. “No need to use butter anymore. These pants are a part of me.” He holds my gaze helplessly trapped. “Like you were a part of me once.”
He’s coming closer, and every step affects me. My cheeks burn. The gall of him to remind me. I’m so angry. Years of hurt simmer in me. Of loneliness and betrayal.
“Fuck you, Mackenna.”
“Already done, Pandora.”


No Brasil a série é publicada pela Novo Século e estamos no terceiro livro


Confira os primeiros capítulos (e onde comprar os livros) do bipolar mais delicioso dos últimos tempos

 








Read More
Novidades da Arqueiro

Novidades da Saída de Emergência