25/12/2013

0

Seth Grahame-Smith - Noite Infeliz - Intrínseca


Leituras de Rebecca nº76

Uma das cenas mais icônicas da história: três homens montados em camelos chegam a uma manjedoura carregando ouro, incenso e mirra como presente a um bebê. Na vastidão do céu do deserto, uma estrela brilha intensamente. Um momento de serenidade e graça. Uma noite feliz. Mas quem eram os Três Reis Magos? A Bíblia quase não fala deles. Seus nomes sequer são mencionados. O registro histórico é impreciso. Por que achamos que eles eram reis vindos do leste? E se fossem ladrões sanguinários da pior espécie, fugindo pela Judeia e esgueirando-se na escuridão da noite? A escrita habilidosa de Seth Grahame-Smith mistura fatos históricos a uma atmosfera de mistério para criar uma trama épica: os chamados "Três Reis Magos" são liderados pelo enigmático criminoso Baltasar - o infame "Fantasma da Antioquia". Homens que escaparam da brutal prisão de Herodes e foram parar, por acaso, na famosa manjedoura do Rei recém-nascido. A última coisa de que Baltasar precisava era perder tempo com José, Maria e o filho do jovem casal. Porém, quando os guardas de Herodes começam a matar bebês primogênitos na Judeia, o ladrão não tem alternativa senão ajudar a família a chegar ao Egito. Assim começa uma história sombria e selvagem, protagonizada por figuras bíblicas como Pôncio Pilatos e João Batista, em que a magia dá lugar à perversidade humana.

Baltazar tem uma difícil decisão, seguir fugindo ou ajudar Maria, José e o pequeno Jesus a fugir para o Egito. Distante de ser uma história religiosa, o autor resolveu escrever sobre um fugitivo renegado que encontra um pouco de sua família desfeita neste casal em apuros.
Eu não consegui parar de ler, a saga de Baltazar é recheada de aventura, ação, mistério e romance. A história não para, cada virada de página era uma nova armadilha ou uma surpresa. O final é lindo e fecha a história com chave de ouro, ou de fogo! Rsrsrsrsrsrsrs!
Recomendo para quem curte grandes aventuras com heróis mal humorados.





0 comentários:

Postar um comentário