13/01/2014

# Clássicos da Literatura Romântica # índios

Marianne Willman - Pedaços do Céu - Clássicos da Literatura Romântica


Leituras de Carol nº 769
Título original: Pieces of Sky

No oeste hostil, a paixão impossível entre um guerreiro indígena e umas mulher branca.

O Conflito inexorável entre os anseios do povo indígena e os interesses de uma nação jovem e em expansão envolvendo a paixão devastadora de uma mulher branca e um mestiço.

Surgido em meio à tempestade, Raio Prateado trazia na pele as tintas coloridas que denunciavam a selvageria do guerreiro comanche. Na fazenda isolada, Norah recuou, em pânico.
Estava diante de um bárbaro que lhe lançava olhares que oscilavam entre a volúpia e o desejo de vingança.
Ele viera disposto a submetê-la a seus caprichos de homem para vingar o sofrido povo indígena do Arizona e seu maior prazer seria arrancar gemidos de prazer da mulher de seu maior inimigo!

Uma humilhação a que Norah não queria se submeter, um delírio ao qual não poderia escapar!


Mais um das antigas!
Esse foi um dos mais "recentes" que comprei (em março de 2013) e já entrou na lista dos lidos porque estou numa vibe de ler esses livros mais antigos.

E essa é uma história marcante, a capa não dá nem pinta de como a história de passa.
Como acontecia frequentemente nesse tempo, Norah, que morava em Boston, aceitou casar com um cara do oeste. Ela não tinha mais família e queria aventuras.

Mas ao achegar na cidade se descobre sozinha e conhece o sargento Lebeau (Raio Prateado), que na verdade é o mestiço Raio Prateado. Os dois se sentem atraídos, mas Norah está comprometida. 

O que poderia ter sido uma aventura se tornou sofrimento, quando ela descobriu que o marido não era tão gentil e atencioso quanto as cartas sugeriram. Ela é ganancioso e só a queria para exibi-la como um troféu (a grade dama refinada do leste) e ser a parideira dos seus herdeiros. 

Raio Prateado é mestiço e até então estava com os brancos, mas agora depois de vivenciar o tanto de sofrimento que eles infligiram ao seu povo, resolve assumir seu lado indígena. É difícil porque ele tem sentimentos fortes por Norah e sabe o salafrário que o marido dela é.

A situação está crítica, o marido de Norah mata a irmã de Raio Prateado e está dizimando comunidades indígenas inteiras com bebida envenenada. A vingança toma conta de Raio Prateado e só sequestrando Norah e levando para sua tribo é que esse sentimento será um pouco aplacado.

Ao começar a ler este livro imaginei que ele seguiria numa linha, mas a autora me surpreendeu. Imaginei que o casamento de Norah não aconteceria, mas ela o fez. E fez com que ela sofresse muito entre os brancos e que aprendesse a dar ainda mais valor ao sentido de coletividade e a compaixão.

Creio que o fato de Marianne Willman ser descendente de índio Sioux fez com que ela colocasse de forma ímpar o universo da cultura indígena e não caísse no clichê de mostrar somente que os brancos são bons e os índios são mal e vice-versa. Ela construiu personagens e situações absolutamente críveis com a época. Na história, não tem frufu... e casa muito bem com uma expressão "Aqui o sistema é bruto".

Recomendo. 







4 comentários:

  1. gostei do enredo, vou colocá-lo na lista!!!

    http://conversandodragoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Muito bom!! Me emocionei bastante com o sofrimento dela e a dedicaçao dele.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom!! Me emocionei bastante com o sofrimento dela e a dedicaçao dele.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom!! Me emocionei bastante com o sofrimento dela e a dedicaçao dele.

    ResponderExcluir

POR ONDE AS ROMÂNTICAS PASSARAM