11/07/2017

1

Catarina Muniz - A Dama de Papel - Universo dos Livros


Leituras de Tânia nº 59

Localizado na zona periférica de Londres em meados do século XIX, o bordel de Molly está sempre repleto de fregueses: ricos e pobres, magnatas e operários. O que nenhum deles sabe – nem mesmo as outras trabalhadoras do estabelecimento – é que a dona do prostíbulo optara por ser “mulher da vida fácil” após fugir de um casamento forçado, abrigando-se nas entranhas de um cortiço na busca indelével por liberdade.
Certa vez, no entanto, Molly é inebriada pelas propostas de um cliente: Charles O’Connor, o herdeiro de um império têxtil, deseja que ela seja somente sua. Molly, arrebatada pelas sensações provocadas pelo novo amante, se vê obrigada a questionar o modo de vida que conduzira com orgulho até então, além de testar os limites da liberdade obtida a duras penas. Entregues à avassaladora paixão e à incrível química sexual que os unem, Molly e Charles precisarão enfrentar as represálias sociais e a moral conservadora da época para dar continuidade a este amor proibido. Mas terão de pagar um preço alto por suas decisões.

Melinda é uma jovem que não consegue suportar a autoridade dos outros sobre ela. Por conta de um casamento arranjado por seu pai, ela resolve fugir de casa em busca da liberdade que almeja. Acha refúgio em um cortiço e com o tempo, torna-se a chefe do prostíbulo onde faz fama na cidade.

Charles é um empresário jovem,mas rico e casado que vai verificar se a fama de Molly (como é chamada) faz jus. O que não contavam os jovens é que se apaixonariam loucamente, a ponto de Charles propôr uma vida dupla à esposa Katerine e negociar com seu pai a restauração da fortuna da família. Mas Molly não consegue se livrar da vida que tinha, e resolve abandonar Charles.

Acabam sozinhos, em suas vidas isoladas e incompletas. Ele, por sofrer as consequências de uma escolha e ela, Molly, por se tornar prisioneira da sua tão sonhada liberdade.

Um comentário:

  1. Obrigada por ter lido o meu livro! Adorei a resenha. Beijão!

    ResponderExcluir