26/06/2017

# Editora Arqueiro # Históricos e/ou de Época

Júlia Quinn - Simplesmente o Paraíso - Arqueiro


Leituras de Flavinha nº 648

Honoria Smythe-Smith sabe que, para ser uma violinista ruim, ainda precisa melhorar muito…
Mesmo assim, nunca deixaria de se apresentar no concerto anual das Smythe-Smiths. Ela adora ensaiar com as três primas para manter essa tradição que já dura quase duas décadas entre as jovens solteiras da família. Além disso, de nada adiantaria se lamentar, então Honoria coloca um sorriso no rosto e se exibe no recital mais desafinado da Inglaterra, na esperança de que algum belo cavalheiro na plateia esteja em busca de uma esposa, não de uma musicista.
Marcus Holroyd foi encarregado de uma missão…
Porém não se sente tão confortável com a tarefa. Ao deixar o país, seu melhor amigo, Daniel, o fez prometer que vigiaria sua irmã Honoria, impedindo que a moça se casasse com pretendentes inadequados. O problema é que ninguém lhe parece bom o bastante para ela. Aos olhos de Marcus, um marido para Honoria precisaria conhecê-la bem (de preferência, desde a infância, como ele), saber do que ela gosta (doces de todo tipo) e o que a aflige (como a tristeza pelo exílio de Daniel, que ele também sente). Será que o homem ideal para Honoria é justamente o que sempre esteve ao seu lado afastando todo e qualquer pretendente?

Então, quem ao ler a série de oito livros dos Irmãos Bridgerton e não teve a curiosidade de conhecer um pouco mais do Quarteto Smythe-Smith, as mocinhas mais desafinadas da época? Júlia Quinn traz para nós a história dessas jovens, começando por Honória Smythe-Smith.


Honória foi uma criança bem mais nova que seus irmãos. O mais próximo dela (em idade, uma diferença de cinco anos) era Daniel de quem ela era mais apegada. Daniel conheceu Marcus Holroyd na escola e se tornaram os melhores amigos. Tanto que Marcus era considerado quase um membro da família e passava mais tempo com os Smythe-Smith do que com o pai. Ele achava bonitinho a devoção de Honória a Daniel, que chamava a irmã de “carrapato”. E não podia negar que era encantado pela garotinha.

Talvez por isso, Quando Daniel teve que fugir do país, aceitou o pedido do amigo de proteger Honória de cafajestes e evitar que ela faça um mal casamento. O problema é que Marcus não considera nenhum dos pretendentes bom o suficiente para Honória. bem, qualquer um que não fosse ele! 
O grito seguinte foi de Marcus – um tanto profano, envergonhava-se de admitir. Ele se desequilibrou e os dois caíram, aterrissando na terra úmida com um baque, Honoria de costas e Marcus bem em cima dela. Ele se apoiou nos cotovelos, tentando tirar o máximo de peso de cima dela, e olhou para baixo. Disse a si mesmo que era para ver se Honoria estava bem. Iria lhe perguntar isso assim que recuperasse o fôlego. Mas, quando a encarou, seus lábios estavam entreabertos, os olhos com uma expressão atordoada.
E Marcus fez o que qualquer cavalheiro instintivamente faria: baixou a cabeça para beijá-la.


Já Honória, começa a pensar em Marcus em termos mais "íntimos" depois que acontece o primeiro beijo. Então quando ele fica enfermo e a beira da morte, seu coração a leva a cuidar dele, antes de começar os preparativos de mais uma temporada de caça a um marido.  


Eu estava pensando que este momento é simplesmente o paraíso.
Ele ficou em silêncio por um instante, depois sussurrou, tão baixo que Honória não teve certeza se ouvira direito:
O paraíso não poderia se comparar a este momento.

Honória é uma mocinha bem decidida e leal a sua família e amigos. Mas vai ser impossível você não se encantar com o Marcus. Ele é um homem maravilhoso, generoso, lindo e incrivelmente tímido! Vai ser impossível você não se apaixonar por ele. O livro é muito bem escrito, os diálogos são maravilhosos e o final... bem, vale a pena ler para saber!

Série Quarteto Smythe-Smith
01 - Simplesmente o paraíso
02 - Uma noite como esta
03 -  A soma de todos os beijos
04 - Os mistérios de Sir Richard

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POR ONDE AS ROMÂNTICAS PASSARAM